24.9.12

História de uma abortadeira...


História estranha
A da Gertrudes
Que vou contar
Falando de atitudes

Gertrudes parteira
Ajudava a parir
Mas com as dificuldades
Mudou o seu agir

Encontro furtivos
Acabavam em fecundação
Procuravam em Gertrudes
A criminosa solução

De início não queria
Tal procedimento ter
O dinheiro falou mais alto
Dando azo ao mal proceder

De dádiva de Deus
Ajudando à Vida
Passou a matar
Indesejados na “barriga”

Gente fina da "Corte"
E da fidalguia
Procuravam Gertrudes
De noite e de dia

Ficou conceituada
Junto dos afortunados
Mal sabia ela
Que eram obsidiados

Os filhos repudiados
Envolviam os progenitores
Perseguindo-os sem dó
Criando novas dores

Gertrudes estava diferente
Não sorria com beleza
Trazia o cenho cerrado
Fruto de tal vileza

Um dia desencarnou
Momento fatal!
Adentrou o Além
Muito mal, muito mal!

"Assassina, assassina"
E outros impropérios ouviu
Seu espanto era enorme
Pois a vida prosseguiu!!!...

Afinal era verdade
O que a Igreja dizia
A vida continuava
Mais ou menos fria

Após anos de sofrimento
Junto dos seus iguais
Chorou amargamente
Clamando pelos pais

Sua mãe, senhora boa,
Generosa de coração
Foi recolher a filha
Com superior autorização

Gertrudes entendeu
Os ditames da vida
Recuperou-se no Além
Para nova “corrida”

Viria a reencarnar
Em família generosa
Após o casamento,
Ficou desgostosa

Engravidar não conseguia
O que mais desejava
Carregar no ventre
O ser que almejava.

Tratamentos, mais tratamentos,
Com igual resultado
Engravidava e abortava
O bebé desejado

O marido desgostoso
De filho varão não ter
Logo a trocou por outra,
Aumentando seu sofrer

Gertrudes conheceu o espiritismo
Que lhe acalmou o coração
Queria trabalhar com crianças
Formou-se em Educação

Hoje é educadora
Em nobre instituição
Recolhe os abandonados
Iniciando a reabilitação

Novo companheiro encontrou
Que a apoia no ideal
É mais feliz agora
Com o bem que apaga o mal.

O Amor é uma borracha
Que apaga o mal
Que trazemos no coração
De outras vidas afinal

Deus é amor
Não é carrasco, não senhor
A todos dá oportunidade
De resgatar sua dor

Se o aborto fizeste
Não sintas culpa
Levanta a cabeça
E vai à luta

Embrenha-te no bem
Seja em que área for
Pois o bem que fizeres
Aumentará o teu amor.

Esse bem diluirá
Os erros cometidos
O bem alivia a alma
Dos seres sofridos

O importante é que agora
Que conheces o espiritismo
Não repitas tal façanha
Senão cais no abismo

A responsabilidade é proporcional
Ao conhecimento de cada um
Por isso não te deprimas
Ama tudo e todos: um a um.

Assim conseguirás
Superar o erro passado
Libertares-te da culpa
Auxiliando com agrado

Hoje é mais feliz
Que outrora, quando rica
Já não é abortadeira
Aos abandonados se aplica

Esta história de vida
Mostra o amor de Deus
Que não é o carrasco de Moisés
Nem o ausente dos ateus

A Vida é oportunidade
De corrigir com alegria
O erro de outrora
Que nos fazia “azia”

O Amor é a solução
Para todas as situações
Ama, ama sempre,
E encontrarás as soluções

Vive sempre com alegria
Sejam Gertrudes ou não
Deus esperta de ti
A tua colaboração

Poeta alegre
Psicografia recebida em Óbidos, Portugal no dia 5 de Novembro de 2005

0 comentários:

Enviar um comentário