1.8.12

Medicina: comércio ou missão?...


Muito se tem falado em saúde, Serviço Nacional de Saúde, cuidados de saúde aos mais variados níveis, clínicas, hospitais privados, acordos, prestação de serviços etc, etc… Pouco se tem falado da essência de tudo isto: das pessoas, dos seres humanos, doentes.

Roberta é minha amiga. Pessoa simples, leva vida difícil e sofrida, trabalhando no duro, no seu dia-a-dia, em limpezas. Apesar de viver com dificuldades, sempre lhe vejo um sorriso na cara, e ainda tem tempo para tomar conta da mãe acamada, fazer a lida da casa e fazer voluntariado. Teve um problema num joelho. Foi fazer um RX: fractura no joelho. “Vá ao hospital para marcar uma operação ao joelho”. Já se passaram 18 meses e ainda não foi chamada!
Filomena é pediatra. Trabalhava num Hospital do Oeste e queria cá ficar. A política encetada pelo anterior governo não o permitiu; ninguém é contratado, pois há que trabalhar para as estatísticas. Filomena, contrariada, foi viver para Lisboa, ficando a trabalhar num Hospital da capital. Passado um mês, estava a ser convidada por uma empresa de angariação de médicos, para ir fazer urgências ao Hospital do Oeste de onde tinha vindo, pois havia falta de pediatras; foi ganhar o dobro do que ganhava aquando no referido Hospital, e ainda por cima sem a responsabilidade de ser chefe de serviço (para além do que a empresa que a contratou ganhou)!
Joaquim foi enterrado ontem (28 Julho 2012). Com 45 anos e 2 filhos jovens, teve um leve mal-estar. Foi-lhe diagnosticado um tumor no baço. Operado numa famosa clínica privada de Lisboa, passados 2 meses em consulta de rotina, o médico apercebe-se que após apalpação, o doente começava a desfalecer à sua frente. Enviado para as urgências, tinha de ser operado urgentemente, com uma hemorragia interna, mas faltava um cheque. Enquanto um familiar foi a casa e voltou com o cheque, após 6 horas, o doente faleceu.
Tudo isto aconteceu em Portugal, não é ficção.
Sabendo que todos os médicos fazem o juramento de Hipócrates, é natural que haja bons e maus médicos, como em todas as profissões.
Numa sociedade ainda eminentemente materialista, os seres humanos desconhecendo a sua componente espiritual, a sua imortalidade, a reencarnação como lei inevitável no carrossel da evolução do ser humano, vivem como se não houvesse vida para além da morte e, depositam todos os objectivos da vida no dinheiro, no ter coisas, ao invés do ser pessoa, das atitudes, dos sentimentos, dos pensamentos.
Nós, espíritos eternos, reencarnamos para evoluir moral e intelectualmente, essas duas asas da vida que nos levarão um dia à sabedoria. Reencarnamos também, para resgatar erros de vidas passadas, que nos pesam na consciência, em que voltando “ao local do crime”, passando por dificuldades similares (ou não, conforme as circunstâncias necessárias) àquelas por nós criadas em vidas anteriores, o Espírito liberta-se do complexo de culpa, criando assim condições para aceder a novos patamares evolutivos.
Dizem os Espíritos (pessoas como nós que largaram o corpo de carne pelo fenómeno natural da morte do corpo físico) que o sentimento mais comum no mundo espiritual, é o de imensa perda de tempo na Terra, de nostalgia por essa situação, em que têm de voltar para recomeçar as mesmas provas (entre outras), tal como o aluno preguiçoso que não estudou tem de repetir o ano escolar, estudando as mesmas matérias.
  
Quando o homem conhecer a sua componente espiritual
e a reencarnação, a medicina deixará de ser um comércio
para passar a ser uma missão sagrada.

André Luiz, que foi médico na Terra, e que ditou vários livros através da mediunidade de Francisco Cândido Xavier, ao adentrar o além-túmulo, ficou estupefacto com o tão pouco que sabia, se comparado com os meros auxiliares que trabalhavam em hospitais no mundo espiritual, ele que fora médico de renome na Terra, no Brasil.
O Espiritismo vem alertar para a enorme responsabilidade dos nossos actos, pensamentos e sentimentos nas relações interpessoais, a repercutirem-se na nossa vida sob a forma de paz ou agitação, de acordo com a génese dos sentimentos que lhes deram origem.
O Espiritismo, pegando no ensinamento de Jesus “Não fazer ao próximo o que não desejamos que nos façam” vai mais adiante, dizendo, “Fora da caridade não há salvação”, e que como tal, devemos “fazer ao próximo aquilo que desejaríamos para nós próprios”.
É natural que, quiçá, aqueles que hoje utilizam a medicina, não para curar mas para enriquecer à custa do sofrimento alheio, possam reencarnar em situações sociais pobres, a fim de, experimentando no futuro aquilo que semearam no passado, assim aprendam que os laços de fraternidade entre todos os seres humanos são o nosso tesouro existencial.
Quando um dia o homem tiver a consciência de que “Nascer, morrer, renascer ainda, progredir sem cessar, tal é a Lei”, então a medicina dos homens deixará de ser uma negócio, para passar a ser uma missão sagrada, onde o focus existencial não estará mais no lucro, mas sim no ser humano.
Até lá, façamos a nossa parte, dando o exemplo que arrasta multidões…
  
Bibliografia:
Kardec, Allan: O Livro dos Espíritos; O Céu e o Inferno;
Luiz, André: Nosso Lar;

5 comentários:

Anónimo disse...

"fazer ao próximo aquilo que desejaríamos para nós próprios”.

Afinal a lei é tão clara, porque nos custa tanto a interiorizá-la?
É o enunciado da lei de igualdade das almas, perante Deus.

A tentativa de contornar essa lei, resulta sempre em ciclos de ódio. Nós partimos e retornamos, contaminados com esse "micróbio" maldito, que também sobrevive à morte, enquanto não o conseguimos sufocar, mergulhando-o em amor.

Amanhã, aquele homem que morreu por falta de dinheiro para a operação, se não for alguém capaz de perdoar, mesmo do lado de lá da vida, poderá criar um prejuízo tal aos que tomaram essa decisão, que não há dinheiro que chegue para compensar isso. Se quem o decidiu soubesse disso poderia, talvez, poupar muito sofrimento...

Eu tenho um objectivo, que só o tempo dirá se vou alcançar: chegar ao lado de lá da vida e não ser eu também um obsessor espiritual. É um risco sério, que todos corremos. Mas tenho fé na ajuda divina. E palavras dos companheiros de jornada, como as escritas neste blogue (mas não só, há muitos companheiros que se dedicam a dar estas importantes informações), são sempre uma inspiração. Por isso, o meu obrigado!

Anónimo disse...

Infelizmente os médicos se acham deuses, acima de todos nós, que têm o poder de nossas vidas em nossas mão. Se escolheram esta profissão tão importante quanto qualquer outra, deveriam se dedicar com de corpo e alma à causa e ou missão que abraçaram. Acredito que seja um pouco como a mediunidade vc se entrega à favor dos mais favorecidos, podendo curar tb, mas sempre se doando, doando tempo amor desinteressado , paciência, e aprendendo com isto a indulgência e o amor real.

José Lucas disse...

Sim, um dia, quando tivermos consciência da nossa imortalidade e da reencarnação, todos nós mudaremos o nosso "modus operandi" nas nossas actividades sociais, pondo em 1º lugar o ser humano ao invés do lucro.
No entanto, conheço muitos médicos em Portugal, que o são de corpo e alma, que são dedicados, honestos, e que se doam ao próximo na sua tarefa, muitas vezes dando consultas de graça quando o cliente não pode pagar.

Anónimo disse...

Acredito que existam sim, não podemos generalizar.

Anónimo disse...

Não há dúvida que existem bons médicos, e boas pessoas. Se assim não fosse andávamos todos aos tiros, como se está a passar com os nossos pobres irmãos da Síria e de outros sítios. Mesmo assim as pessoas boas não são em tão grande número como gostaríamos. O que podemos fazer é tentar assegurar que nós mesmos nos encontremos entre as boas pessoas. Temos que confiar, ter fé em Deus. Ele nos inspirará a fé, a coragem, a paciência e a resignação, através dos Bons Espíritos, Seus servidores e nossos incansáveis amigos, mais avançados.

Enviar um comentário