11.8.12

António, o desconfiado...


António, o desconfiado
Estava sempre carrancudo
Se alguém o saudava
Respondia com’ um mudo

Tão desconfiado era
Que não confiava em ninguém
Se alguém lhe sorria
Respondia com desdém

Juntou ouro e mais ouro
Sem que alguém soubesse
Pois desconfiava que
Um familiar o quisesse

António, o desconfiado,
Como era chamado
Não tinha amigos
Em qualquer lado

Um dia, o desconfiado,
Sentiu no peito uma dor
Partiu para o Além
Com grande temor

Temia o coitado
Que lhe roubassem o tesouro
E o pobre desconfiado
Eternizou-se junto ao ouro

Tão bem enterrado estava
A sua preciosidade
Que ninguém o encontrou
Por toda a eternidade

António, o desconfiado,
Ao lado dele ficou
Anos e mais anos
E durante anos penou

Estava perto de casa
Junto ao galinheiro
Mas não via ninguém
Só queria o seu dinheiro

Dezenas de anos depois
Sua mãe por ele orou
E António, o desconfiado
Voltou à Terra, reencarnou

É agora um petiz
Que brinca junto da avó
Na casa onde viveu
E onde sempre esteve só

Num dia de mudança
Um armazém se erigiu
No sítio do galinheiro
O ouro surgiu

Dia de grande festa
Para a família do petiz
Que nem desconfiava
Donde vinha o ouro feliz

Se és desconfiado
Aprende esta lição
Pois quem é egoísta
Sofre sempre desilusão

Sê aberto, sincero
Amigo de tod’a gente
Seja um familiar
Ou um indigente

O apego à matéria
E a desconfiança interior
Só te trazem na vida
Momentos de temor

Se queres ser feliz
Sorri para a Vida
Confia, ama e serve
Ao longo da tua lida

Poeta alegre
Psicografia recebida por JC, na reunião mediúnica do CCE, C. Rainha, Portugal, em 13 Setembro 2011 

0 comentários:

Enviar um comentário