30.10.16

Esquecimento global...


A opinião é unânime: o clima na Terra mudou devido ao aquecimento global do planeta. No entanto, outro fenómeno, tão ou mais preocupante, ocorre: o esquecimento (dos valores ético-morais) global na Terra, que ameaça a vida em sociedade. Qual o contributo do Espiritismo para estas situações?

Como se já não bastasse a problemática do aquecimento global do planeta e a destruição dos ecossistemas por parte do ser humano, na sua ânsia irracional de “ter” cada vez mais, numa vida que rapidamente se dilui no tempo, vai ocorrendo na sociedade mundial outro fenómeno interligado: o esquecimento global dos valores ético-morais.
Nestes últimos dias, em Portugal, dois governantes foram demitidos por terem mentido, apresentando-se como licenciados, quando não possuíam nenhum título académico. Do ponto de vista ético-moral é uma situação tão grave, que num país civilizado, seria um terremoto político, com demissões em massa.
O mesmo já ocorreu noutros tempos, com outros partidos e outras figuras políticas.
Não nos move nenhuma atitude de simpatia ou antipatia política.
Objectivamos analisar apenas as atitudes dos seres humanos.
Vivemos momentos graves, onde o que outrora era nobreza de carácter hoje é estar ultrapassado, o que era roubo hoje é oportunidade, o que era mentira hoje é ponto de vista, o que era dignidade hoje é fraqueza de espírito, o civismo é hoje trocado pela má-educação.
Vemos os professores a serem maltratados pelos educadores, ao invés de os apoiarem, para educarem os seus educandos.
Quando o exemplo vem de cima, do Estado, com leis obscuras, com roubos sucessivos e desvios de dinheiro privados e públicos por parte de entidades bancárias, com múltiplas fraudes dos agentes políticos e económicos tornadas públicas, sem qualquer consequência social, o povo, tende a seguir o mau “exemplo” de quem os governa.
Como educar as crianças nas escolas e falar-lhes de virtude, em educação cívica, quando o Ministro da Educação de Portugal, tendo conhecimento de um Chefe de Gabinete ter mentido e não possuir nenhum título académico, mesmo assim manteve-o no cargo, sendo conivente, até ao momento em que um jornal, “Observador.pt”, desmascarou o caso?
Há quem diga que o mundo não tem saída, não tem cura…
Na óptica da Doutrina Espírita (ou Espiritismo), uma filosofia de vida que não é mais uma religião nem mais uma seita, existe, sim, solução.
A solução passa pela reencarnação de Espíritos mais honestos e sérios, que vêm reencarnando desde o fim do século XX, na opinião de muitos benfeitores espirituais que se vêm comunicando através de médiuns de todo o mundo.
Mas, mesmo ocorrendo esse fenómeno da mudança parcial dos actores sociais, cumpre-nos, a nós que estamos hoje no palco da Vida, fazermos a nossa parte.

Cumpre-nos sermos cidadãos activos no bem de todos,
sem desperdiçarmos recursos que pertencem à comunidade.

O mal só viceja, pela ausência de atitude assertiva por parte dos bons.
Se nos cumpre sermos tolerantes, compreensivos com tudo e com todos, cumpre-nos igualmente dar o exemplo de honestidade, recusar mordomias ou ser beneficiado em detrimento de outrem.
Cumpre-nos vivenciar que o ser humano não vale pelo que “tem”, mas sim pelo que é, como pessoa.
Cumpre-nos valorizar a honestidade, a autenticidade, ao invés de currículos pejados de títulos, muitas vezes sabe-se lá a troco de quê.
Cumpre-nos valorizar a solidariedade ao invés da competição.
Cumpre-nos pagar ordenados justos aos empregados, mesmo que acima do estipulado em Lei.
Cumpre-nos dar o nosso melhor, na condição de trabalhador, em prol do bem comum. Cumpre-nos sermos cidadãos activos no bem de todos, sem desperdiçarmos recursos que pertencem à comunidade.
Dos espíritas espera-se a árdua tarefa de divulgarem a imortalidade do Espírito e a reencarnação, baseadas em factos científicos, levando as pessoas a descobrirem que são seres imortais, e que as suas atitudes e sentimentos, serão o único património que levarão para o mundo espiritual, após o decesso do corpo físico.
Desse património advirá o bem-estar, a paz, a felicidade ou a dor (de acordo com o nosso íntimo), até que surja nova oportunidade de reencarnar na Terra, em nova experiência evolutiva, intelectual e moral.
Aos espíritas cumpre alertar para o “Esquecimento Global” dos conceitos ético-morais que vige na sociedade, não só falando, escrevendo, mas acima de tudo exemplificando.
Aos espíritas cumpre mostrar que vale a pena Amar, ser honesto, autêntico, ter paz de espírito, ao invés de ter os cofres cheios de tesouros, que a traça da corrupção rapidamente consome, deixando no íntimo do seu autor focos de “infecção espiritual”, a diluírem-se dolorosamente, em futuro próximo, no mundo espiritual e / ou em futuras reencarnações.
Se Jesus de Nazaré nos deixou o precioso ensinamento para não fazermos ao próximo o que não desejamos para nós, o Espiritismo vem apontar o caminho da caridade como o único que nos eleva espiritualmente, dentro da assertiva de que “Nascer, morrer, renascer ainda, progredir sem cessar, tal é a Lei”.

30 de Outubro de 2016



Bibliografia:

Kardec, Allan – O Evangelho Segundo o Espiritismo

1 comentários:

Noémita disse...

Lucas muito bem. Disto também eu me queixo. Até costumo dizer que os meus pais, me "educaram mal". Coitado do meu pai que fica aflito quando dizia isto. Agora já não digo. As pessoas com estes valores estão em "minoria", como sou teimosa, continuo a insistir no meu caminho coberto com os valores semeados desde a nascença. Sinceramente com muito orgulho mesmo. Bj

Enviar um comentário