21.8.16

Tu, que és racista...

Tu és racista,
não gostas de escurinhos?
Então, toma atenção
durante uns minutinhos…

D. Freire, nas caravelas,
escravos comerciou,
comprou centenas deles
e pr’ó Brasil os levou.

Na vida seguinte,
com dor no coração,
pediu para nascer preto,
escravo a sua condição.

Com a culpa atenuada,
voltou de novo, mulato,
e aos poucos aprendeu,
a cor é apenas um fato.

D. Freire, Zaqueu,
Joaquim e muitos mais,
são apenas nomes,
que saltam com’os pardais…

Tu que és racista,
diz-me lá, então,
a que raça pertence,
D. Freire, o fanfarrão?

Pois é, amigos,
estudando a reencarnação,
o racismo desaparece,
como tola ilusão…

Se queres ser branco,
que o sejas no coração,
onde não há mágoa,
e pulula o perdão.

Poeta alegre


Psicografia recebida na reunião mediúnica do Centro de Cultura Espírita de Caldas da Rainha, Portugal, por JC, em 9 de Agosto de 2016.

0 comentários:

Enviar um comentário