15.1.15

Um caso de xenoglossia...

     

O termo “xenoglossia” foi proposto pelo professor e escritor Charles Richet, médico e fisiologista francês, pesquisador de fenómenos psíquicos, criador da Metapsíquica e Prémio Nobel de Medicina de 1913, com o intuito de distinguir, de modo preciso, a mediunidade poliglota propriamente dita (pela qual os médiuns falam ou escrevem em línguas que eles ignoram totalmente e, às vezes, também, ignoradas de todos os presentes) dos casos afins, contudo, radicalmente diversos, da “glossolalia” (nos quais os pacientes sonambúlicos, falam ou escrevem em pseudo línguas inexistentes, elaboradas nos recessos de suas subconsciências, pseudo línguas que não raro se revelam orgânicas, por serem conformes às regras gramaticais).
Xenoglossia, do Grego, Xenon = estranho, estrangeiro; Glossa = Língua.

Durante a nossa participação no I FOREBLU (Fórum Espírita de Blumenau), de 13 a 15 de Setembro de 2013, que teve lugar na cidade de Blumenau – Santa Catarina, Brasil, durante as palestras que se sucediam por diferentes expositores, o médium de psicografia, José Araújo, exercia a actividade psicográfica. Fui convidado pelo mesmo a sentar-me ao seu lado, na mesa ao lado do palco onde ocorriam as palestras. Pude assistir bem de perto ao fenómeno de psicografia mecânica, quando o médium escrevia em velocidade célere. Primeiro várias páginas em Francês que, foram assinadas pelo espírito de Rémy Chauvin, endereçada ao Pe. François Brune que reside em Paris. O suposto Espírito comunicante solicitava-me que enviasse a missiva a este nosso amigo comum.
Em seguida, assisti a mais um transe psicográfico. Desta vez, a mensagem era escrita em idioma português e atribuída ao Espírito de Hemendra Nat Benerjee, renomado pesquisador indiano que viveu na cidade de Jaipur, no Estado de Rajasthan, que se notabilizou com as pesquisas empreendidas em torno do fenómeno da reencarnação.
Diante do que pude observar, o transe foi intenso, com expressiva velocidade, em fluxo contínuo, sem nenhuma interrupção em qualquer momento da escrita.

No final, observei que o comunicante assinalava no papel uma outra construção na escrita, apresentando diante aos meus olhos, um outro idioma diferente do nosso. Fez a primeira inserção, para mim desconhecida e, acrescentou após esta, as palavras em português: “para todos”. Em seguida, sem nenhuma paragem na mão, assinalou uma frase inteira, no mesmo idioma desconhecido. Importante assinalar que, não era em alfabeto de dígitos como o que conhecemos, nas línguas latinas. Contudo, no final, assinou o nome em língua portuguesa, Hamendra Nat Banerjee, encerrando assim a psicografia.
Em Fortaleza, procuramos um casal amigo, indianos de nascimento e brasileiros naturalizados, o Dr. Harbans Lal Arora e a sua esposa Wed Kumari Arora, junto aos quais nutrimos afectuosa amizade há cerca de 9 anos. Ele é professor, físico e cientista, filósofo humanista, PhD em Física Quântica pela Universidade de Waterloo, Canadá, nas Universidades da Alemanha e da Índia e, professor-titular (aposentado) do Departamento de Química Analítica e Físico-Química e do Núcleo de Processos Energéticos e Industriais da Universidade Federal do Ceará - UFC. É ainda conferencista internacional, escritor e consultor de diversas organizações nacionais e internacionais nas áreas da Saúde, Educação e Ecologia. Consultor da FAO, OLADE e BID para a América Latina e Caribe nas áreas de Energia Renovável e Desenvolvimento Sustentável.

Wed Kumari Arora é Diretora e Professora de Yoga no Instituto Indiano de Yoga Vivekananda, em Fortaleza - CE, desde 1976. Ministra Cursos, Palestras, Confe-rências, Workshops em Yoga, Yogaterapia, Recursos Humanos, Manuseio do Stress, Saúde Integral. Especialista em Yoga na Educação Física, e Yoga Para a Terceira Idade em vários países, no Brasil, Uruguai, El Salvador, Guatemala, Argentina e França.
Acreditávamos que eles, pertencentes ao mesmo país de origem do comunicante Hamendra Nat Banerjee, poderiam dar alguma informação mais segura a respeito daquela psicografia.
Para que não houvesse dúvidas sobre a assinatura grafada naquele idioma, para nós desconhecido, procedemos previamente à exibição apenas da assinatura, sem o conteúdo psicografado, bem como ocultamos, também, o nome que foi escrito abaixo em idioma português. Preparamos, assim, antecipadamente, duas cópias, colocando na parte superior do papel-A4, apenas a assinatura, que desconfiávamos estar escrito em idioma indiano. Contudo, precisávamos de uma certificação. O restante do papel ficou em branco. Apresentamos duas folhas idênticas ao casal, sem mencionar nenhuma palavra sobre o que se tratava. Inopinadamente, perguntei se eles reconheciam o que estava escrito no frontispício daquelas duas folhas de papel.
A resposta veio instantânea: “aqui está escrito em idioma hindi, a palavra “Shanthi,” que quer dizer “Paz” que completa em português a frase “para todos”, e abaixo está escrito Hamendra Nat Banerjee, - é uma assinatura, trata-se de o nome de uma pessoa” - a resposta fez-se ouvir sem nenhuma hesitação.
Após relatado o ocorrido, solicitei ao casal uma declaração, autenticando o fato do reconhecimento da assinatura em idioma hindi. Imediatamente a Sra. Wed Arora o fez do próprio punho, produzindo assim o documento, em anexo.
A constituição da India reconhece 22 línguas oficiais, além de mais de uma centena de dialectos. O hindi, na escrita devanagari é reconhecido como o idioma oficial do governo, é também uma língua falada em seis Estados, entre eles o de Rajasthan. Eles também revelaram que conheciam o Dr. Banerjee de nome e, sabiam sobre as suas pesquisas, contudo, não o conheceram pessoalmente, portanto, não privaram da sua amizade.
Após terminado a declaração, escrita no mesmo papel, o casal assinou os seus respectivos nomes em português e, em seguida, abaixo, em idioma hindi, conforme fez Hamendra Nat Benerjee.

De posse do documento, eu e meu filho Tiago Nunes, dias depois, dirigimo-nos ao cartório de Fortaleza – Ceará e procedemos ao reconhecimento das duas assinaturas, conforme apresentadas no documento.
José Fernando de Mendonça Araújo, o médium investigado, nasceu no Recife - PE, em 17 de Novembro de 1964, sentiu suas primeiras manifestações mediúnicas aos 9 anos de idade, quando escrevia textos cuja “autoria” o mesmo desconhecia. Possui diversas faculdades mediúnicas, como psicografia mecânica, psicofonia, vidência, clauriaudiência e xenoglossia, além da paranormalidade anímica de psicometria. Há mais de 30 anos estuda e dedica-se ao Espiritismo. Fundou, juntamente com sua esposa, o Centro Espírita CEIL, na cidade de Blumenau, Santa Catarina, Brasil.

Clóvis Souza Nunes
Escritor, conferencista internacional, pesquisador de fenómenos paranormais
(adaptado do original da pesquisa)

.
 

MENSAGEM INVESTIGADA

Caros irmãos Ney Prieto Peres, Dra. Júlia e todos presentes.
Ney, aqui esta o nobre Homero Pinto Valada, que testemunhou, no ano de 1981, onde proferia a sua palestra e foi interrompido com a nossa chegada, e por ocasião do aniversário da Margit, onde calorosos aplausos tomaram conta de todos nós; e a menina Juliane ofertou flores.
Aqui, nosso mentor e coordenador de nossa equipe científica é o Dr. Hernani que, está impossível, pedindo para que muitos de nós falem (quer dizer, se pronunciem). Informa que aqui está o cientista e general: Alfredo Moacir de Mendonça Uchôa.
E muitos outros que se unem nesse intercâmbio de estudo.
Aqui agora se pronuncia o eminente Dr. Willian Meek para todos “I’m here beside the master Andrade and manys cientists, here’s an authentic “spiricom”.
George William Meek.
E também aqui presente Dr. Mario Amaral Machado – fala para os eminentes cientistas da TCI, Clóvis Nunes e Sónia Rinaldi. “Meus caros, Clóvis e Sónia, isto aqui é o epicentro do Poltergeist, e da comunicação, vamos avançar, e continuar firmes, frutos serão colhidos”. “Aproveito para abraçar a Glória Gelváh, Sónia, Sandra e a todos.”
Dr. Hernani fala para Suzuko tomar os remédios na hora certa e também avisa que o Dr. Stevenson vai voltar com o seu material para o Dr. Jim. Bem, creio que o treinamento já foi longe. Para todos deixamos um provérbio indiano:
“Quem é cego?
- Aquele que é incapaz de enxergar o mundo.
Quem é mudo?
- Aquele que é incapaz de dizer palavras amáveis no momento certo.
Quem é pobre?
- Aquele que é atormentado pela ambição desmedida.
Quem é rico?
- Aquele cujo coração está em paz.”
Paz para todos
Hemendra Nath Banerjee

(Psicografia recebida pelo médium Zé Araújo em Blumenau – SC – Brasil.)

0 comentários:

Enviar um comentário