29.7.14

Íntimo Tribunal...

Habituado na Terra
À justiça terrena
Ao ver a de Deus
O coração abana…

Usamos as leis
E os tribunais
Jogando com palavras
Ganha quem paga mais

O pobre, o remediado,
Não tem justiça
Pois não possui
Contas na Suíça

Tolamente, o Homem
Pensa assim enganar
Pode fazê-lo na Terra
A Deus tem contas a dar

Após a morte
Vê com aflição
Que enganou a justiça
Mas não o coração

Angustiado e temeroso
Um dia pedirá a Deus
Que  lhe dê o ensejo 
De corrigir os erros seus

Quanto sofrimento
No mundo espiritual
Quando o ser se depara
Com o íntimo tribunal

A Terra evoluirá
E com ela, suas leis,
Aproximando-se das de Deus
À medida que cresceis…

… Como seres espirituais
Em busca da felicidade
Obrando com rectidão
Sem tribunais na Humanidade

Até lá, porfiemos
No imenso bem a fazer
Rectidão e Amor
Para com todo o ser

Da planta ao animal
Passando pela Humanidade
Esparzindo o Amor
Conquistarás a felicidade

Poeta alegre
Psicografia de JC, em 24 de Fevereiro de 2014, em Óbidos, Portugal

0 comentários:

Enviar um comentário