24.11.13

Serenidade, sempre...

Levar vida calma
É atitude astuta
Faz bem à alma
De quem labuta

Levar vida simples
É a obrigação
De todo aquele
Que se diz cristão

Levar vida serena
É sempre opcional
Se está direccionado
Pr’ó bem ou pr’ó mal

Calma, simplicidade,
Preciso instrumento,
Aliados à serenidade,
Trarão muito alento

Para ser feliz
Não é preciso “ter”
Basta no quotidiano
Ser, ser, ser!

Procurai na vida
Que ela seja calma
Para que possais
Fazer bem à alma

Poeta alegre 
Psicografia recebida por JC, na reunião mediúnica do Centro de Cultura Espírita, Caldas da Rainha, Portugal, em 27 de Agosto de 2013 

1 comentários:

Sandra Meira disse...

Muito Bom!!!

Enviar um comentário