8.6.13

David Fontana: até breve!....

Já ouviu falar em David Fontana? É provável que não, tendo em conta que era uma pessoa discreta, apesar de ser um personagem importante no campo da ciência e da pesquisa da espiritualidade. Tivemos o privilégio de o conhecer, de o entrevistar para o Jornal de Espiritismo, e de ler alguns dos seus livros. Venha conhecer um pouco da sua vida e obra…

David Fontana, um académico britânico nascido em 1934 em Middlesex, Inglaterra, e desencarnado (falecido) em 18 de Outubro de 2010, foi um conceituado académico, escritor, e cientista de renome mundial, que, pela sua grandeza, acabou por passar despercebido por muita gente (típico das almas nobres).
Foi professor de Psicologia na Universidade de Cardiff, na John Moores University em Liverpool, na Universidade do Algarve e Universidade do Minho, em Portugal.
Membro da British Psychological Society, publicou mais de duas dezenas de livros, relacionados com a espiritualidade e as suas pesquisas.
Foi Presidente do Survival Research Commitee, que se dedica à pesquisa da sobrevivência.
Fontana pesquisou os fenómenos na fronteira com a espiritualidade, como a mediunidade, os casos de “poltergheist” e a Transcomunicação Instrumental (TCI), tendo sido presidente da mais conceituada sociedade de pesquisas psíquicas do mundo, a famosa Society for Psychical Research (SPR), de 1995 a 1998.
David Fontana seguia a psicologia transpessoal, tendo participado em muitas conferências, um pouco por todo o mundo, nomeadamente na British Psychological Society, tendo sido o 1º presidente da secção de Transpessoal desta Sociedade, desde 1996 a 2001.
Da sua obra literária destacam-se entre outros, “Livro do Meditador: Um guia completo para técnicas de meditação orientais e ocidentais (1992)”, “Aprenda a Meditar: Um Guia Prático de auto-descoberta”, “Psicologia, Religião e Espiritualidade (2003)”, “Existe vida após a morte:? Uma visão abrangente da Evidência (2005)”, “Meditação e visualização criativa (2007)” e “Vida além da morte: o que podemos esperar? (2009)”.
David Fontana fez pesquisas com médiuns ingleses e confirma “A vida continua depois da morte do corpo físico” (in Jornal de Espiritismo nº 6, Set-Out 2004), tendo assistido à materialização de seres espirituais, entre outros fenómenos espíritas, em Scole, Norfolk, Inglaterra, onde “tivemos oportunidade de verificar toda uma vasta gama de fenómenos, em condições em que não seria possível haver fraude” (idem), em 1999.

David Fontana, psicólogo, cientista, escritor,
provou ao mundo que a vida continua
após a morte do corpo físico.

Esteve em Portugal em 2002, no IV Simpósio “Além e Aquém do Cérebro” organizado pela Fundação Bial, na Casa do Médico, no Porto, onde apresentou as suas pesquisas, afirmando que a imortalidade do espírito é uma realidade comprovada cientificamente (Pode a mente sobreviver à morte física?), tendo concedido várias entrevistas a jornais portugueses onde referiu o mesmo (jornal “Público, 6 Abril 2002, pag. 29)”.
Penso que não há dúvidas, temos evidências suficientes para demonstrar que esses acontecimentos paranormais acontecem. Demonstrámos isso em condições inequívocas. O próximo passo é o de demonstrar, para satisfação dos cientistas cépticos, que parecem ser muito difíceis de convencer, que não se trata apenas de possíveis capacidades psíquicas, mas sim que a vida continua após a morte. Aliás, não devemos chamá-los de mortos, porque, na verdade, eles estão bem vivos, uma vez que têm o poder de produzir tais fenómenos. Em complemento, é certo que obtivemos determinadas informações que nenhum dos vivos sabia. Obtivemos comunicações de pessoas que nem sequer conhecíamos, tendo pesquisado e chegado à conclusão que tinham existido e que os detalhes que nos tinham sido fornecidos estavam correctos. Eles não conhecem as pessoas, nem quem são, nada conhecem do seu passado, não têm qualquer ligação com elas, ou qualquer coisa do género e, mesmo assim, a informação é totalmente verdadeira.(in Jornal de Espiritismo nº 6, Set-Out 2004).
Dedicou grande parte da sua vida à pesquisa da TCI, onde o encontrámos em dois congressos em Vigo, Espanha, organizados pela Drª Anabela Cardoso (diplomata portuguesa).
Guardamos de David Fontana a imagem de um homem sereno, muito calmo, ponderado, seguro, simples, simpático, afável, cuja companhia deixava um lastro de paz e harmonia, decerto a traduzirem o seu estado de alma. Apesar da sua grandeza espiritual e intelectual, tratava todas as pessoas e com todas falava, de igual para igual.

Até breve Dr. Fontana, e continuação de bom trabalho no mundo espiritual.

1 comentários:

Diogo disse...

«Aliás, não devemos chamá-los de mortos» - adoro o raciocínio directo dos britânicos :-)

Diogo (Blog de Espiritismo)

Enviar um comentário