11.2.13

Nautas do Espírito....




Viver no mundo
Sem do mundo ser
Revela sabedoria
De quem vai “morrer”.

Oh, alma imortal
Porque sofres afinal,
Na busca da matéria,
Embrenhando-te no mal?

Não vês mais além
Os caminhos do Senhor?
Não vês que tudo passa
Até a morte e a dor?

Para onde vai aquilo
Que o corpo animava?
Porque não fala o teu filho,
Que com a voz te embalava?

Oh mistérios da vida
Que dor, sofrimento!
Kardec veio revelá-los
Quando era o momento.

Apareceu o espiritismo
A cantar a imortalidade
Demonstrando experimentalmente
Que não se morre: é verdade!!!

A vida continua
Após o decesso “fatal”
A alma “embarca”
Para o céu ou o umbral.

Pesquisadores sem fim
Buscam a essência
Julgam encontrá-la
Sem conquistar a paciência.

Mas para isso é preciso
Que a mente se abra
A novos conceitos, ideias
Que não tornem a morte macabra.

Intuições do Além
E necessidades interiores
Farão os cientistas
Buscar novos valores

Descobrir o espírito é preciso
Alertar a humanidade
Das verdades do espiritismo
Que te acalmam a ansiedade.

Ide avante
Nautas da espiritualidade
Pegai no bisturi
Sem descurar a bondade.

Buscai o espírito
No laboratório da psicologia
Sem esquecer o amor
Que alimenta, dá energia

Abanai os homens de ciência
Com vossas descobertas
Não esquecendo Jesus
Com suas ideias correctas.

Ciência e espiritualidade
São irmãos do conhecimento
Como atingi-lo
Se ambas não estão em movimento?

Largai os preconceitos
Próprios dos primitivos
Buscai o conhecimento
Juntando a fé aos livros

O conhecimento é fim
A atingir sem igual
A bondade é caminho
Sem o qual és banal.

Sabedoria é conhecimento
Aliada à bondade
Procura atingi-la
Se queres a felicidade

Poeta alegre
Psicografia recebida a 22 de Maio de 2005 em  Óbidos, Portugal. 

0 comentários:

Enviar um comentário