12.11.12

O meu filho tem um cancro...



Mais uma noite de sexta-feira, no Centro de Cultura Espírita, nas Caldas da Rainha, em que tem lugar uma conferência espírita, o passe espírita (tratamento bioenergético) e o atendimento em privado, para algum esclarecimento adicional.
Fátima vinha com ar cansado e dolorido, via-se na sua expressão facial, onde as rugas não escondiam as dores da alma.
Contou-nos o seu drama íntimo: o seu filho, de 40 anos, estava na fase terminal de um cancro no cérebro.
Falámos acerca do que a Doutrina Espírita (ou Espiritismo) pensa do assunto, de como explica as dissemelhanças de oportunidades, alicerçadas na justiça divina e na reencarnação, onde todos somos iguais perante Deus e ninguém é privilegiado.
Conversámos muito, esclarecemos dúvidas.
No dia seguinte, Fátima apareceu com uma amiga no Curso Básico de Espiritismo (gratuito), onde estudamos em grupo, com a maior das naturalidades e sem pretensões de ensinar a ninguém: aprendemos em conjunto.
Fátima voltou, voltou e foi voltando, até que um dia, disponibilizámo-nos para visitar o seu filho.
Ela ficou de ver da viabilidade da visita, sem forçar a vontade alheia.
O filho, céptico, e muito marcado pela vida, acedeu em receber-nos.
Ficámos felizes, pois sempre que temos uma oportunidade de sermos úteis, ficamos sempre em débito para com quem nos proporciona tais serviços ao próximo.
No dia marcado, lá fomos, com naturalidade, sem discursos ocos e preparados, pedindo a Deus que nos intuísse para podermos ser úteis.
Nos primeiros segundos, houve uma grande empatia entre o visitante e o visitado.
Não interessava se era céptico ou não.
Não interessava se era deste ou daquele clube, desta ou daquela cor.
Era um ser humano que está na iminência de largar o corpo de carne, e que estava apavorado em virtude do desconhecido.
Falámos sobre a vida para além da morte, não como crença, mas baseado em factos, em pesquisas científicas que ainda hoje continuam a ser efectuadas.
Falámos da lógica da vida, dos princípios básicos da doutrina espírita, de como a vida continua no mundo espiritual, de vários casos passados connosco que atestam a imortalidade do ser humano.
Acima de tudo ficámos amigos.

Como era bom que todos os moribundos pudessem
ouvir falar de espiritismo, e assim partirem
para o mundo espiritual, em paz e mais serenos…

Voltámos, e agora a conversa era franca: ele sabe que está quase a partir para o mundo espiritual.
Falámos abertamente sobre o que iria acontecer, o que iria sentir, e a confiança estampava-se no seu rosto, levemente molhado por teimosa lágrima que insistia em rolar face abaixo.
Ficámos amigos.
Fiquei de voltar. Não sei se voltarei a tempo…
Combinámos que quem partisse primeiro, ajudaria o outro quando chegasse a hora do outro partir para o mundo espiritual.
Ficou combinado!
Voltei a casa.
Fátima, a sua mãe, dizia-me pelo telefone que se sentia estranha, porque apesar de tudo, estava muito calma, serena, e a encarar tudo com naturalidade.
Achava ela que devia andar triste, a chorar pelos cantos, a lamuriar-se. Tinha até complexo de culpa por não se sentir mal.
Fátima dizia que com o que tem aprendido no centro espírita e com os livros de Allan Kardec, que parece que a sua vida mudou.
Claro que mudou!
Ao entender o porquê da vida, o ser humano acalma-se, esclarece-se, consola-se,  percebendo que tudo na vida se encadeia dentro das leis divinas, que são eternas, imutáveis e justas, que a vida continua, e cada um de nós só passa por aquilo que precisa, para a sua evolução espiritual, tendo em conta as suas opções do passado e do presente.
Regressando a casa, meditava na grandeza da mensagem espírita, que, esclarecendo, consola, e consolando faz com que as pessoas vivam melhor o seu quotidiano, na certeza de que a vida continua, baseada em factos e não em crenças cegas.
Nascer, morrer, renascer ainda, progredir sem cessar, tal é a lei”, diz-nos o Espiritismo, que também nos ensina que fora da caridade não há salvação. 

Novembro 2012

6 comentários:

Gilberto Ferreira disse...

Parabéns!...

Gilberto Ferreira

MARIA JOSÉ disse...

oBRIGADA PELA LINDA MENSAGEM...

Maria Júlia Ramalho disse...

Querido amigo Lucas,
Obrigada por mais um testemunho do muito que a doutrina espírita pode fazer em favor dos outros, sobretudo dos que sofrem, dando-lhes um sentido para a vida. Gostei particularmente da frase "...Ficámos felizes, pois sempre que temos uma oportunidade de sermos úteis, ficamos sempre em débito para com quem nos proporciona tais serviços ao próximo."
Sem dúvida, que, ao ajudarmos os outros estamos a ajudar-nos a nós próprios, pois se uns saldam as suas dívidas pela dor, outros as saldam pelo amor, e a caridade é o amor em acção.
Hoje, com a lente ampliada da lei de causa e efeito e conhecedores dessa Lei natural, estamos predispostos e não errar mais, curando nossos males para sempre. E devemos isso ao Espiritismo. Que Deus nos ajude nesse desiderato e bem-hajam.
Abraço amigo
Maria Júlia

Anónimo disse...

Parabens pelo trabalho, pela entrega e doação aos que padecem ,é bom ajudar ,é bom ler estas coisas ,é bom ser espírita !!! são.

andrade da silva disse...


Embora faça uma abordagem diferente,o que não tem importância nenhuma, mas também sendo psicólogo e conhecendo o quanto é penoso e inesperado ter uma doença terminal aos 40 anos,não posso deixar de louvar o muito bem que fazem a este querido nosso irmão em sofrimento e que a tranquilidade e a ausência de dor o acompanhe nesta fase da sua vida,a a coragem e a vossa amizade conforte a sua mãe e família. abraço-vos.

Anónimo disse...

Obrigada!!! A
gradeço muito...

Enviar um comentário